Você está aqui

Publicado em: 22/05/2019

Delegações das Américas impulsionam visão de saúde universal na Assembleia Mundial da Saúde

imprimirimprimir 
  • Facebook

Ao apresentar os principais temas de discussão na Assembléia Mundial da Saúde às delegações dos países das Américas, Carissa F. Etienne, Diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), instou-os a assegurar que suas intervenções refletissem a posição da Região em relação à universalidade. saúde, que inclui cobertura e acesso universal à saúde. A Assembléia Mundial da Saúde estará discutindo amplamente a cobertura universal de saúde, não apenas no plenário, mas também nas diferentes decisões que serão tomadas sobre o assunto. Em seu discurso aos delegados das Américas, a Diretora da OPAS lembrou o processo envolvido em alcançar um consenso em 2014 sobre a cobertura e acesso universal à saúde.

"A diferença com o resto dos países é que todos os nossos Estados Membros insistiram que o acesso universal à saúde é tão importante quanto a cobertura universal de saúde. Chamamos isso de saúde universal ", afirmou Etienne. Destacou também que os Estados membros das Américas enfatizaram fortemente a necessidade de abordar os determinantes sociais da saúde e eliminar as barreiras que impedem o acesso universal e a cobertura em saúde.

A reunião das delegações das Américas foi liderada pelo Ministro da Saúde e Desenvolvimento Social das Bahamas, Duane Sands, que também preside o Conselho de Diretores da OPAS. Ele foi acompanhado pelo Difretor da Divisão de Relações Multilaterais da Agência de Saúde Pública do Canadá. Nicolás Palanque, que preside o Comitê Executivo da OPAS, e pelo Ministro da Saúde do Chile, Emilio Santelices, país que tem a Presidência do Grupo de Países das Américas.

A diretora da OPAS destacou o relatório preparado  pela Comissão de Alto Nível "Saúde Universal no Século XXI: 40 anos de Alma-Ata " e apresentado em abril no México, com dez recomendações sobre o que os países podem fazer para garantir que todas as pessoas tenham acesso e cobertura de saúde na região. A diretora também referiu-se ao apelo da OPAS para que os países se comprometam a reduzir pelo menos 30% das barreiras que impedem o acesso à saúde até 2030 e a alocar pelo menos 30% de todo o orçamento público em saúde no primeiro nível de atendimento no mesmo ano.

Etienne indicou que a Assembléia estará trabalhando na Reunião de Alto Nível sobre Cobertura de Saúde a ser realizada nas Nações Unidas em setembro deste ano. O México está negociando para as Américas na resolução dessa reunião.

Por seu turno, o embaixador do México para as Nações Unidas em Genebra, Socorro Flores Liera, disse que após as recomendações apresentadas pela Comissão, os delegados dos 31 países que participaram do lançamento do relatório, concordaram em alguns pontos sugeridos pela comissão : desenvolver modelos de atenção baseados na atenção primária à saúde, eliminar barreiras ao acesso à saúde universal, abordar os processos de integração social e determinantes sociais da saúde, investimento em recursos humanos, entre outros pontos. O embaixador pediu aos países que compartilhem esses consensos da região sobre saúde universal e os reflitam nas decisões adotadas na Assembléia.

O secretário do Governo da Saúde da Argentina, Adolfo Rubinstein, também destacou que seu país está priorizando a cobertura universal de saúde, "entendendo-a como uma cobertura com eficácia e qualidade, fortemente focada na implementação de serviços de atenção primária à saúde". Apoiamos fortemente a cobertura universal dos cuidados primários de saúde ", concluiu ele.

Fotos/Ilustrações: 

OPS/OMS

Comentar