Você está aqui

Publicado em: 18/01/2021

Devemos renunciar à velha normalidade da desigualdade, as vacinas devem ser um bem público global

imprimirimprimir 
  • Facebook

“A pandemia expôs a fragilidade do nosso mundo. As desigualdades aumentaram, tanto entre os países como dentro deles ”, sublinhou esta segunda-feira (18/01) o Secretário-Geral das Nações Unidas, em discurso proferido durante a cerimónia de mudança da presidência do G77 mais a China, que este ano será ocupada pela Guiné após o período liderado pela Guiana.

António Guterres destacou que apesar dos esforços para conter a sua propagação, a Covid-19 continua a empurrar o mundo para a pior recessão em décadas e a causar um sofrimento desproporcional entre os setores mais pobres e vulneráveis ​​da população, como acontece frequentemente com todos. crise.

“Depois de muitos anos de progresso, a pobreza e a fome estão aumentando”, disse Guterres, acrescentando que os recursos para proteção social e pacotes de estímulo estão sendo insuficientes em muitos países, “uma falha de solidariedade profundamente preocupante. em todo o mundo ”, frisou.

Entre os grupos mais afetados pelos efeitos econômicos e sociais da Covid-19, ele citou mulheres, meninas e jovens.

Ele reconheceu que a crise derivada da nova doença exacerbou os problemas da humanidade; no entanto, ele enfatizou que a pandemia não pode ser responsabilizada por todas as falhas das sociedades.

Uma mudança profunda

Por isso, Guterres insistiu na necessidade de uma mudança profunda na gestão da emergência, que também leva a uma nova ordem mundial.

“Olhando para o futuro, é claro que devemos renunciar à velha 'normalidade' das desigualdades e injustiças. As vacinas já estão aqui e devem ser um bem público global, ao alcance de todos, em qualquer lugar ”, enfatizou.

Ele explicou mais uma vez que, para isso, são necessários recursos suficientes para acessar o mecanismo da Covax, que visa garantir a distribuição eqüitativa das vacinas.

Além disso, ele observou que os fabricantes precisam assumir um compromisso sério de trabalhar com a Covax, bem como com todos os países, especialmente aqueles com economias mais fortes, para garantir um fornecimento suficiente e uma distribuição justa de imunizações.

Nacionalismo contraproducente

"A corrida nacionalista pela vacinação é contraproducente e vai atrasar a recuperação global", disse ele mais uma vez.

Nesse contexto, Guterres voltou a lutar por maior apoio dos países desenvolvidos, instituições financeiras internacionais e bancos de desenvolvimento às nações mais pobres.

"A recuperação da pandemia é uma oportunidade para mudar o curso", disse ele.

Ele argumentou que, com políticas inteligentes e investimentos apropriados, o mundo pode traçar um caminho que torne a saúde acessível a todos, bem como revitalizar economias e construir resiliência.

O Secretário-Geral acrescentou que os governos devem ter recursos para investir na criação de empregos e colocar a educação e os negócios de volta nos trilhos com abordagens mais verdes.

Serviços básicos vs pagamento de dívidas

Acrescentou que tudo isto requer o alívio da dívida de todos os países que dela necessitam, para que nenhum governo seja obrigado a escolher entre prestar serviços básicos à sua população ou pagar as suas dívidas.

“A comunidade internacional deve fazer mais para aumentar os recursos financeiros disponíveis para os países em desenvolvimento e de renda média, muitos dos quais são muito vulneráveis”, acrescentou.

Guterres argumentou que poder, recursos e oportunidades devem ser compartilhados de forma mais equitativa.

“2021 deve ser um ponto de viragem, para a natureza e para a humanidade”, afirmou.

Fotos/Ilustrações: 

© UNICEF/Vinay Panjwani Médicos e profissionais de saúde são os primeiros a receber a vacinação COVID na Índia.

Comentar