Você está aqui

Publicado em: 05/10/2021

A OMS apoia o tratamento da Covid-19 com cocktail de medicamentos à base de anticorpos monoclonais

imprimirimprimir 
  • Facebook
ONU News

A Organização Mundial de Saúde recomendou o uso combinado dos medicamentos monoclonais de anticorpos casirivimab e imdevimab para tratar casos seleccionados de Covid-19.

"Este é um grande avanço no tratamento de pacientes com Covid-19", disse Janet Diaz, chefe dos cuidados clínicos na agência da ONU.

A terapia de anticorpos recebeu autorização de utilização de emergência nos Estados Unidos em Novembro do ano passado, depois de ter sido utilizada para tratar o ex-Presidente Donald Trump. O tratamento pode custar milhares de dólares se não estiver coberto por um seguro.

Segundo o organismo da ONU, a intervenção com estes medicamentos deve ser reservada a doentes com sintomas ligeiros ou moderados, mas com um elevado risco de hospitalização devido a co-morbilidades, ou a doentes graves cujo sistema imunitário não produz anticorpos, como assinala.

"Embora o casirivimab e o imdevimab consigam uma redução substancial do risco relativo de hospitalização, o benefício será trivial ou inconsequente em termos absolutos para todos, excepto para os doentes de maior risco, para os quais a intervenção deve ser reservada", diz a directriz de recomendações de tratamento da Organização Mundial de Saúde.

Acrescenta que o painel que estudou o uso dos medicamentos identificou que o limiar em que a maioria das pessoas quereria ser tratada é "superior a 10% de risco de hospitalização para a Covid-19".

Mas na ausência de instrumentos credíveis para prever o risco de hospitalização em pessoas infectadas pela Covid-19, as orientações referem que as pessoas de maior risco são pessoas não vacinadas, pessoas idosas, ou pessoas com imunodeficiências ou doenças crónicas como a diabetes.

Negociações para baixar o preço

A farmacêutica suíça Roche tem trabalhado em parceria com Regeneron, que detém a patente, para produzir o tratamento.

A UNITAID, uma agência de saúde da ONU, está a negociar directamente com a Roche para conseguir preços mais baixos e uma distribuição equitativa em todo o mundo.

A OMS também tem estado em discussões com a empresa para a doação e distribuição do medicamento através da Unicef.

As recomendações da OMS basearam-se em grande parte em dados de um estudo realizado em Junho no Reino Unido com 9.000 pacientes, que constatou que a terapia reduziu as mortes em pacientes hospitalizados cujos sistemas imunitários não tinham conseguido produzir uma resposta.

"Estamos a levar os dados (do estudo britânico) e a generalizá-los a outras pessoas", disse o Dr. Diaz. "Vimos que havia um benefício que pensávamos ser significativo".

O tratamento foi inventado e desenvolvido no ano passado, e só está a ser avaliado em relação à Covid-19. Baseia-se numa classe de medicamentos chamados anticorpos monoclonais que imitam os anticorpos naturais produzidos pelo corpo humano para combater a infecção.

 

Comentar