Você está aqui

Publicado em: 15/07/2014

OMS destaca necessidade dos países em intensificar as ações sobre doenças não transmissíveis

imprimirimprimir 
  • Facebook
OMS

Enquanto os líderes mundiais se reúnem na Assembleia Geral das Nações Unidas para avaliar os esforços feitos desde 2011 no controle doenças não transmissíveis (DNTs), como doenças cardíacas, câncer, diabetes e doença pulmonar crônica, a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre os perfis dos países em doenças crônicas mostra que o progresso tem sido insuficiente e desigual.

O relatório fornece uma visão geral atualizada da situação das doenças não transmissíveis, incluindo tendências e respostas do governo em 194 países. Ele revela que 95% dos países que responderam à pesquisa mais recente tem um Ministério do departamento de Saúde ou unidade para enfrentar as doenças não transmissíveis designado; metade dos países do mundo tem um plano e um orçamento para lidar com essas doenças; o número de países de monitoramento dos principais fatores de risco - como o uso do tabaco, dieta insalubre, inatividade física e uso nocivo do álcool - dobrou desde 2010. 

"Eu não vejo nenhuma falta de compromisso. Eu vejo uma falta de capacidade de agir, especialmente no mundo em desenvolvimento. Nossos mais recentes dados mostram que 85% das mortes prematuras por doenças não transmissíveis ocorrem em países em desenvolvimento. Os desafios apresentados por estas doenças são enormes”, diz a diretora-geral Margaret Chan.

Os perfis dos países incluem estimativas sobre a carga atual e tendências recentes de mortes e fatores de risco, como o uso do tabaco, o uso nocivo do álcool, pressão alta e obesidade. Os perfis também avaliar a capacidade dos países de tomar medidas. Muitos dos 178 países que responderam à pesquisa mais recente que fizeram progressos na luta contra a epidemia.

Todos os anos 38 milhões de pessoas (28 milhões em países em desenvolvimento) morrem de doenças não transmissíveis, quase 16 milhões deles prematuramente - antes que eles atinjam a idade de 70 anos. O número de mortes tem aumentado em todo o mundo e em todas as regiões desde 2000.

Mais de 190 governos concordaram em um plano da OMS de ação global para deter a epidemia e reduzir as mortes prematuras por doenças não transmissíveis em 25% até 2025. Líderes mundiais estão reunidos nas Nações Unidas em Nova York para revisar o progresso nos últimos anos e discutir como intensificar ação para reduzir a carga de doenças não transmissíveis.

Durante a Assembleia Mundial da Saúde em 2013, 194 Estados-membros da OMS aprovaram o Plano de Ação Global da OMS para a Prevenção e Controle de doenças não transmissíveis 2013-2020. O plano oferece um menu de opções de política para os países, parceiros globais e de outras organizações que, quando implementadas coletivamente, irão atingir nove metas globais voluntárias, incluindo a de uma redução relativa de 25% na mortalidade prematura por doenças não transmissíveis em 2025. 

"A OMS estabeleceu uma infraestrutura global para impedir o aumento das doenças não transmissíveis e irá apoiar os países para acelerar o progresso”, afirmou Dr. Oleg Chestnov, assistente do diretor-geral para doenças não transmissíveis e saúde mental da OMS. “Em particular nos países menos desenvolvidos, que são já arcando com o ônus da carga e precisam da nossa ajuda.”

Comentar