Você está aqui

Publicado em: 22/02/2019

É urgente eliminar a separação entre a saúde humana e a saúde do planeta

imprimirimprimir 
  • Facebook
Rafaela de Oliveira

As mudanças climáticas e a poluição são questões que afetam diretamente não apenas o planeta, mas também a saúde das pessoas. É por isso que a abordagem que leva em conta a relação entre as pessoas e o planeta torna-se cada vez mais necessária – a saúde planetária.

Como as mudanças que estão ocorrendo em nosso planeta nos últimos anos afetam a saúde das pessoas?

A ação do homem influencia tanto que já fala de uma nova era geológica: o Antropoceno. A poluição, mudança climática e o esgotamento de recursos são questões que afetam diretamente a saúde individual e coletiva. Tudo isso levou ao desenvolvimento de um novo conceito, cada vez mais importante: a saúde planetária.

Para falar e discutir todas estas questões, o Palau Macaya de "la Caixa" realizou uma conferência organizada conjuntamente pela Barcelona Institute for Global Health  (ISGlobal), centro conduzido por "la Caixa" e da Escola Europeia de Humanidades. Nesta, especialistas de diferentes campos discutiram os efeitos que todas essas mudanças estão produzindo. Com ênfase na urgência em tomar medidas, eles debateram a possibilidade de chegarmos a um ponto sem retorno na degradação planetária, o que colocaria nossa própria espécie em risco.

"A saúde planetária é uma maneira de mudar a forma como vemos a saúde pública, identificando novos pontos de vista sobre questões atuais e urgência. É preciso entender que a saúde humana depende dos recursos naturais do planeta e, como só a estamos medindo agora, não levamos em conta o esgotamento desses recursos”, afirma Josep Maria Antó, diretor científico do ISGlobal. "O lema da OMS, que é saúde para todos em todas as políticas, deve ser saúde para todos e para o planeta. Se não, não há saúde".

Os efeitos diretos na saúde

A poluição, seja do ar, da água ou da terra, tem um impacto direto na saúde das pessoas, como apontam as evidências científicas já comprovadas. "A poluição do ar mata 9 milhões de pessoas por ano. Mais do que o tabaco, que é de 6 milhões, ou a soma do HIV, tuberculose e malária, que são 3 milhões. E sabemos disso há uma década", acrescenta Josep Maria Antó.

Além disso, a pesquisadora e palestrante do IsGlobal, O'Callaghan, trabalhou diretamente na extração de petróleo da Amazônia peruana e abordou este tema. "Sabemos que estar exposto ao petróleo tem efeitos sobre a saúde e sabemos disso por todo o trabalho que tem sido feito com trabalhadores dessa indústria. Mas precisamos saber como isso afeta a população que coexiste diariamente e sem proteção com essas atividades”. O'Callaghan observou durante a apresentação como os efeitos dessas atividades afetam essas populações, nas quais os níveis de metais pesados ​​como o chumbo, mercúrio ou outras substâncias, como o arsênico, aumentam acentuadamente. Estes elementos também aumentam os riscos de câncer e doenças que afetam o sistema imunológico, bem como problemas respiratórios ou inflamação dos tecidos. "Em nível nacional, pode parecer que há alguma melhoria graças a essas atividades extrativistas, mas olhando de perto para aqueles que são mais diretamente afetados, vemos que esse não é o caso".

Mas as atividades extrativas prejudicam a saúde em quaisquer lugares onde forem realizadas, tanto de onde se originam quanto em aspecto global, portanto os efeitos não se limitam apenas às populações locais, mas também no âmbito planetário. "A queima de combustíveis fósseis é o principal culpado da mudança climática. Seria necessário reduzir o uso de óleo imediatamente em 30 por cento, o gás de carvão 50-80 por cento", diz Cristina O'Callaghan, que apontou para a destruição dos ecossistemas que servem como reservatórios de carbono para realizar essas atividades extrativistas e que aumentam a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera.

Os efeitos da mudança climática x as medidas políticas

Embora os efeitos diretos da poluição do ar sejam muito quantificados, as mudanças climáticas têm uma série de efeitos indiretos que não são tão estudados, apesar do impacto na saúde. "Espera-se que, entre 2030 e 2050, a mudança climática seja a causa direta de 250 mil mortes por ano, mas sabemos muito pouco sobre os efeitos indiretos", diz Josep Maria Antó. "Haverá um aumento na desnutrição devido à perda de terras agrícolas. Doenças cardiovasculares e infecciosas também aumentarão. E a saúde mental será afetada igualmente", acrescenta Cristina O'Callaghan.

De acordo com o chefe do programa Clima e Saúde do ISGlobal, Xavier Rodó, as pessoas precisam ter acesso e cobrar informações sobre o ar que respiram. "A qualidade de vida será bastante afetada, por ambos. O problema é que nenhum governo até agora fez medições sistemáticas e a população não tem informação. Precisamos de uma pressão popular que exija padrões mínimos de qualidade do ar”.

O aquecimento global é agora uma questão prioritária. Espera-se que nos próximos anos, se nenhuma ação for tomada, as temperaturas em todo o planeta possam ser aumentadas em uma média de 3 graus. “[...] isso significa que áreas mais sensíveis, como o Mediterrâneo, farão mais calor. Em Barcelona esse aumento pode chegar a quatro e meio graus", diz Rodó. "Neste momento, o esforço para parar o aquecimento é estimado em 5 por cento do PIB mundial. Mas se nada for feito logo, isso em breve será dobrado. Temos que tentar encontrar soluções", acrescenta.

No entanto, a tradução do conhecimento científico em medidas políticas não é uma questão simples, na maioria das vezes. "Devemos pensar muito bem qual é o impacto das decisões políticas em favor de melhorias ambientais em termos de desigualdades sociais. Existe um conceito chave que é a justiça social e como essas medidas são adotadas para gerá-la. Se não considerá-lo, teremos um problema", conclui Josep Maria Antó.

Fotos/Ilustrações: 

Foto: Pixabay

Comentar