Você está aqui

Contracepção de emergência

Atualizado: 01/08/2016
imprimirimprimirenviar por e-mailenviar por e-mail
  • Facebook

OMS


Fatos principais

  • A contracepção de emergência pode prevenir a maioria das gravidezes quando tomada após a relação sexual.
  • A contracepção de emergência pode ser utilizada nas seguintes situações: relação sexual desprotegida, falha do método contraceptivo, uso incorreto de anticoncepcionais ou em casos de agressão sexual.
  • Há 3 métodos de contracepção de emergência: pílulas anticoncepcionais de emergência (PAEs), pílulas contraceptivas orais combinadas ou o método de Yuzpe e dispositivos intrauterinos com cobre (DIU).
  • Um DIU com cobre é a forma mais eficaz de contracepção de emergência disponível quando inserido com cinco dias de relações sexuais desprotegidas.
  • O regime de pílula anticoncepcional de emergência recomendado pela OMS é:
  1. uma dose de 1,5 mg de levonorgestrel ou uma dose de 30 mg de ulipristal, feita no prazo de cinco dias (120 horas) a partir do coito desprotegido;
  2. duas doses de pílulas anticoncepcionais orais combinadas (também conhecidas como o método de Yuzpe).

O que é a contracepção de emergência?

A contracepção de emergência ou contracepção pós-coito, refere-se a métodos de contracepção que podem ser utilizados para evitar a gravidez nos primeiros cinco dias após a relação sexual. Ele é destinado para o uso após a relação sexual desprotegida, falha ou mau uso de anticoncepcionais (como pílulas esquecidas, rupturas ou deslizamentos do preservativo), estupro ou sexo desprotegido coagido.

A contracepção de emergência é eficaz somente nos primeiros dias após a relação sexual antes que o óvulo seja liberado do ovário e antes que o espermatozoide fertilize o óvulo. A contracepção de emergência não pode interromper uma gravidez estabelecida ou prejudicar um embrião em desenvolvimento.

Quem precisa de contracepção de emergência?

Qualquer mulher ou menina em idade reprodutiva pode precisar de contracepção de emergência para evitar uma gravidez indesejada.

Em que situações deve-se usar a contracepção de emergência?

A contracepção de emergência pode ser utilizada com certo número de situações seguintes à relação sexual:

  • Quando nenhum contraceptivo foi usado.
  • Em casos de estupro ou sexo forçado quando a mulher não estava protegida por um método contraceptivo eficaz.
  • Quando existe uma falha do método contraceptivo ou uso incorrecto, incluindo:
  1. rompimento do preservativo, deslizamento ou uso incorreto;
  2. três ou mais contraceptivos orais combinados consecutivamente esquecidos;
  3. pílula apenas com progestagênio (mini-pílula) tomada com mais de três horas de atraso;
  4. desogestrel contendo pílula (0,75 mg) com mais de 12 horas de atraso;
  5. injeção de noretisterona enantato (NET-EN) apenas com progestogênio tomada com mais de duas semanas de atraso;
  6. injeção de acetato de medroxiprogesterona (DMPA) somente com progestogênio tomada com mais de quatro semanas de atraso;
  7. a injeção combinada mensal de estrogênio e progestogênio com mais de sete dias de atraso;
  8. atraso na colocação ou remoção precoce de um anel contraceptivo hormonal ou adesivo para a pele;
  9. quebra  ou remoção precoce de um diafragma ou capuz cervical;
  10. ejaculação incorreta (por exemplo, ejaculação na vagina ou na genitália externa);
  11. falha de tabletes de espermicida ou filme para derreter antes da relação sexual;
  12. erro de cálculo do período de abstinência ou a incapacidade de abster-se ou usar um método de barreira nos dias férteis do ciclo, quando usando métodos baseados na percepção da fertilidade;
  13. expulsão de um dispositivo intrauterino contraceptivo (DIU) ou implante contraceptivo hormonal.

Métodos de contracepção de emergência

Há três métodos de contracepção de emergência:

  1. pílulas anticoncepcionais de emergência (PAEs);
  2. pílulas anticoncepcionais orais combinadas ou o método de Yuzpe;
  3. dispositivos intrauterinos com cobre (DIU).

1. Pílulas anticoncepcionais de emergência

A OMS recomenda um dos seguintes medicamentos para contracepção de emergência, para uso no prazo de cinco dias (120 horas) após a relação sexual desprotegida:

  1. Levonorgestrel tomados como uma dose única (1,5 mg).
  2. Levonorgestrel tomado alternadamente em duas doses (0,75 mg cada, 12 horas de intervalo).
  3. Acetato de ulipristal, tomado como dose única a 30 mg.

Modo de ação

Pílulas anticoncepcionais de emergência com levonorgestrel previnem a gravidez, impedindo ou atrasando a ovulação. Elas também podem funcionar impedindo a fertilização de um óvulo por afetar o muco cervical ou a capacidade dos espermatozoides de se ligarem ao óvulo.

Pílulas anticoncepcionais de emergência com levonorgestrel não são eficazes se o processo de implantação já começou e elas não vão causar aborto.

Eficácia

Com base em relatórios de nove estudos incluindo 10,5 mil mulheres, o regime de levonorgestrel recomendado pela OMS tem a eficácia entre 52 a 94% na prevenção da gravidez. O regime é mais eficaz quanto mais cedo for tomado logo após a relação sexual.

Para o ulipristal, as evidências indicam que previne a gravidez em pelo menos 98% das situações, especialmente se tomado até 72 horas após a relação sexual.

Segurança

As pílulas anticoncepcionais de emergência com levonorgestrel são muito seguras e não causam aborto ou prejudicam a fertilidade futura. Os efeitos colaterais, geralmente semelhantes aos experimentados por mulheres que usam pílulas anticoncepcionais orais, são incomuns e geralmente leves.

Critérios de elegibilidade médicos e contra-indicações

As pílulas anticoncepcionais de emergência previnem a gravidez. Elas não devem ser dadas a uma mulher que já tem uma gravidez confirmada. Se uma mulher toma inadvertidamente as pílulas depois que ela está grávida, no entanto, a evidência disponível sugere que as drogas não irão prejudicar a mãe ou o feto. Estas duas drogas não são utilizadas para a interrupção da gravidez.

As pílulas anticoncepcionais de emergência são recomendadas para uso ocasional somente após a relação sexual desprotegida e não são recomendadas para uso regular como um método contraceptivo permanente devido à maior possibilidade de falha em comparação com pílulas anticoncepcionais orais. O uso frequente de contracepção de emergência pode resultar no aumento de efeitos colaterais, tais como irregularidades menstruais, embora o seu uso repetido não apresente riscos conhecidos para a saúde.

As pílulas anticoncepcionais de emergência podem ser menos eficazes em mulheres obesas (índice de massa corporal superior a 30 kg/m2), mas não existem preocupações de segurança. As mulheres obesas não devem ter acesso negado à contracepção de emergência quando necessário.

Não existem outras contra-indicações médicas para o uso de levonorgestrel ou pílulas anticoncepcionais de emergência de ulipristal.

O aconselhamento para o uso da anticoncepção de emergência deve incluir opções para usar a contracepção regular ou informações adicionais em caso de falha do método percebido.

2. O Método de Yuzpe

O método de Yuzpe utiliza pílulas anticoncepcionais orais combinadas. As pílulas são tomadas em duas doses. Cada dose deve conter estrógeno (100-120 mcg de etinilestradiol) e progesterona (0,50-0,60 mg de levonorgestrel (LNG) ou 1,0-1,2 mg de norgestrel).

A primeira dose deve ser feita o mais rápido possível após o coito desprotegido (de preferência dentro de 72 horas, mas não tão tarde quanto 120 horas, ou cinco dias) e a segunda dose deve ser tomada 12 horas mais tarde. Se ocorrer vômito dentro de duas horas após tomar uma dose, ela deverá ser repetida.

3. Os Dispositivos Intrauterinos de cobre (DIU)

A OMS recomenda que um DIU com cobre, quando usado como um método contraceptivo de emergência, seja inserido dentro de cinco dias após relações sexuais desprotegidas. Este método é particularmente apropriado para uma mulher que gostaria de começar a usar um, de ação longa e altamente eficaz e é um método contraceptivo reversível.

Modo de ação

O DIU com cobre impede a fecundação, causando uma mudança química no esperma e óvulos antes que eles possam se encontrar.

Eficácia

Quando inserido dentro de cinco dias após a relação desprotegida, um DIU com cobre é superior a 99% de eficácia na prevenção da gravidez. Esta é a forma mais eficaz de contracepção de emergência disponíveis. Uma vez inserido, a mulher pode continuar a usar o DIU como um método permanente de contracepção e pode escolher mudar para outro método contraceptivo no futuro.

Segurança

Um DIU com cobre é uma forma segura de contracepção de emergência. Os riscos de infecção, expulsão ou perfuração são baixos.

Critérios de elegibilidade médicos e contra-indicações

A única situação em que um DIU com cobre nunca deve ser usado como contracepção de emergência é quando uma mulher já está grávida.

Outras contra-indicações ao uso de um DIU com cobre como contracepção devem ser consideradas antes de seu uso como contracepção de emergência. Algumas destas contra-indicações, de início, incluem trombocitopenia grave, sangramento vaginal inexplicável, o câncer do colo do útero, câncer do endométrio e Doença Inflamatória Pélvica (DIP). Para mais informações, consulte os "critérios de elegibilidade médica da OMS para o uso de anticoncepcionais."

As recomendações da OMS para o fornecimento de contracepção de emergência

Todas as mulheres e meninas em risco de uma gravidez indesejada têm o direito de acesso à contracepção de emergência e esses métodos devem ser rotineiramente incluídos em todos os programas nacionais de planejamento familiar. Além disso, a contracepção de emergência deve ser integrada aos serviços de cuidados de saúde para as populações em maior risco de exposição a relações sexuais desprotegidas, incluindo cuidados e serviços de pós-estupro para mulheres e meninas que vivem em situações humanitárias e de emergência.

As últimas diretrizes sobre quais métodos podem ser usados ​​por pessoas com certas condições de saúde estão na quinta edição dos "Critérios de Elegibilidade Médica para o Uso de Contraceptivos":

Critérios Médicos de Elegibilidade para Uso de Contraceptivos (em inglês)

A OMS reafirma o seu compromisso de rever constantemente a evidência emergente através da sua Identificação Contínua de Evidência de Pesquisa (CIRE) e também por atualizar regularmente a sua orientação em conformidade.

A garantia dos direitos humanos no âmbito de programas de contracepção: uma análise dos direitos humanos de indicadores quantitativos existentes (em inglês)