Você está aqui

Publicado em: 06/09/2019

OMS retira status de país livre de sarampo para o Reino Unido e três outros Estados europeus

imprimirimprimir 
  • Facebook
Rafaela de Oliveira

A Organização Mundial da Saúde alertou no último dia 29 de agosto o "aumento dramático" do sarampo na Europa, uma doença infecciosa evitável por vacinas. Embora a tendência seja global, a Europa está especialmente preocupando a OMS pelo declínio que o continente sofreu no controle da doença. "Estamos indo na direção errada", disse Kate O'Brien, diretora do Departamento de Imunização e Imunização da Organização. Embora a maior parte do aumento se deva à falta de sistemas de saúde nos países do Oriente, a organização alerta para o impacto de teses anti-vacinas e notícias falsas na Europa Ocidental.

Para Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS, após o surgimento da doença, há notícias parcialmente falsas sobre vacinas espalhadas pelas redes sociais. "Eles são tão contagiosos e perigosos quanto as doenças que ajudam a se espalhar", lamentou. Quatro países, Reino Unido, Grécia, Albânia e República Tcheca, perderam em 2018 o status de "país livre de sarampo", o que significa que o vírus voltou a circular de forma autóctone. A organização registrou 89.994 casos de sarampo em 48 países europeus no primeiro semestre de 2019, mais que o dobro do mesmo período do ano passado e mais do que em 2018.
Nos primeiros seis meses do ano, 37 pessoas morreram de sarampo nos 53 países que a OMS inclui em seu escritório na Europa, um número que subiu para 73 em 2018. Um total de 35 países manteve o status de "país no final de 2018" livre de doença. São dois a menos que no ano anterior porque, embora quatro estados o tenham perdido, dois o recuperaram (Suíça e Áustria). Entre os países em que a doença permanece endêmica estão Alemanha, França e Itália. O Reino Unido registrou 953 casos em 2018 e 489 nos primeiros seis meses deste ano. Na Grécia, esses números somam 2.193 e 28 casos; para 1.466 e 475 na Albânia; e em 217 e 569 na República Tcheca.

"Eles não são países com sistemas [de saúde] particularmente fracos, o que é um alerta. Não é suficiente alcançar uma alta cobertura nacional; isso deve ser feito em cada comunidade e em cada família", alertou O'Brien. O número de casos registrados em todo o planeta triplicou entre 1 de janeiro e 31 de julho de 2019, com 364.808 pacientes, em comparação com 129.239 no ano passado no mesmo período. Os mais numerosos foram registrados na República Democrática do Congo, Madagascar e Ucrânia. Os Estados Unidos sofreram no último ano o maior surto em um quarto de século.

Surtos na Espanha

Não existe tratamento contra o sarampo após a infecção e a assistência é focada no alívio dos sintomas (febre alta, tosse severa, erupção cutânea, entre outros). Segundo dados da agência de saúde pública dos EUA, uma em cada cinco pessoas que recebem o vírus será hospitalizada, uma em cada 20 crianças sofrerá pneumonia e entre um e três em cada mil casos morrerão e sofrerão sequelas neurológicas irreversíveis. A doença, no entanto, é evitável com duas doses da vacina. A OMS estima em mais de 20 milhões o número de mortes evitadas no mundo entre 2000 e 2016, graças à vacinação.

A Espanha não escapa ao aumento da incidência de sarampo na Europa. Se foi quase erradicada há uma década, nos últimos anos a doença causou “surtos esporádicos, sempre relacionados a alguns casos importados de um país onde a doença é endêmica”, explica Magda Campins, chefe de Medicina Preventiva e Epidemiologia do Hospital Vall d 'Hebron de Barcelona. Os dois últimos de maior relevância ocorreram na primeira metade do ano na Catalunha e na Comunidade de Madri - com casos também em Guadalajara -, com quase 300 pacientes no total.

“Esses surtos ocorrem porque os bolsos da população mal imunizados persistem na Espanha. Como o vírus do sarampo é muito contagioso, qualquer pessoa que entrar em contato com um caso importado será infectada e o vírus começará a circular ”, diz Campins. Esse especialista enfatiza que "o risco é que essas bolsas de valores cresçam e, portanto, a necessidade de nunca baixar a guarda com as políticas de vacinação e o perigo das idéias anti-vacinas".

O maior desses grupos na Espanha é o dos adultos nascidos nos anos setenta, quando a circulação do vírus diminuiu - o que deixou de imunizar todos os portadores da doença -, mas as campanhas de vacinação ainda não chegaram Toda a população. Outro, que, segundo Campins, afeta 20% dos pacientes na Espanha, é o de crianças com menos de um ano de idade, para as quais ainda não é possível vacinar. "A segurança deles depende da proteção que lhes dá a vacinação do restante da população", na chamada proteção de rebanho, conclui Campins.

As Américas registram 2.9000 casos de sarampo este ano.

Fotos/Ilustrações: 

Getty images

Comentar