Você está aqui

Publicado em: 19/08/2021

Trabalho e formação docente será o tema da segunda oficina sobre ‘Os desafios da formação de técnicos em saúde no período da pandemia’

imprimirimprimir 
  • Facebook

A segunda sessão do Ciclo de Oficinas ‘Desafios da Formação de Técnicos em Saúde na Pandemia’, a ser realizada no dia 31 de agosto, das 10h às 12h (hora de Brasilia), abordará o tema do Trabalho e Formação Docente. A ideia é apresentar o tema e debater experiências, dificuldades e estratégias vividas nas diferentes instituições que compõem as Redes. Participarão como debatedores nessa oficina: Wolfang Alberto Latorre Martínez, da Escola Nacional de Instrutores ‘Rodolfo Martínez Tono’ (ENI/SENA - Colômbia); Mariana Lima Nogueira, da EPSJV/Fiocruz - Brasil; e Patricia Manzoni, diretora da Escola Universitária de Tecnologia Médica (EUTM/UDELAR - Uruguai).

A partir dos temas abordados durante o debate, serão definidos tópicos de interesse para as próximas oficinas. As oficinas são transmitidas pela VideoSaúde Distribuidora Fiocruz, em português e espanhol. Também são enviados certificados para aqueles que desejarem.

Link para transmissão em português: https://youtu.be/tgyDCoa-ljw 

Link para a transmissão em espanhol: https://youtu.be/AwnjWHDebFM

Sobre o tema da oficina

Particularmente desafiados em suas formas de atuação, os docentes precisaram reformular suas práticas, passando a interagir com os estudantes por meio de correios eletrônicos, aplicativos de mensagens, plataformas de teleconferência e ambientes virtuais de aprendizagem. Muitos professores viram-se despreparados para lidar com os novos dispositivos e as questões pedagógicas suscitadas pelo contexto da pandemia. 

Como os professores lidaram com as reprogramações do calendário escolar e a virtualidade da sala de aula? Quais os deslocamentos de sentido do que vem a ser a docência estão sendo observados em tempos de pandemia? Em que medida os docentes foram mobilizados a reformular os currículos diante da contextualização radical? Quais os “fundamentos” da formação técnica foram desestabilizados? Que novos conteúdos foram convocados como efeito de tal contingencialidade? Como replanejaram as estratégias de ensino-aprendizagem e os processos de avaliação? Que novos requisitos se tornaram necessários à formação docente para enfrentar as dificuldades de aprendizagem e os problemas de saúde mental dos estudantes durante este período? Essas são algumas das questões que estarão na pauta da oficina e que buscaremos discutir coletivamente.  

Sobre o Ciclo de oficinas

Desde o início de 2020, quando a OMS reconheceu a pandemia de Covid-19, nossa vida social, pessoal e produtiva foi profundamente impactada e todos os setores da vida humana foram afetados.

Frente à suspensão das atividades presenciais, as instituições formadoras passaram a viver o dilema de reinventar o cotidiano escolar num curto prazo de tempo e em condições completamente adversas para continuar a realizar sua missão junto aos estudantes.

Pensando nisso, a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), como Centro Colaborador da OPAS/OMS para a Educação de Técnicos de Saúde, em cooperação com a Rede Internacional de Educação de Técnicos em Saúde (RETS), a Rede Ibero-Americana de Educação de Técnicos em Saúde e a Rede de Escolas Técnicas de Saúde da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (RETS-CPLP), lançou o Ciclo de oficinas 'Os desafios da formação de técnicos de saúde durante a pandemia’, cuja primeira sessão foi realizada no dia 6 de julho, com o tema das práticas profissionalizantes. 

O propósito da iniciativa é gerar um espaço de intercâmbio, reflexão, aprendizado e formulação de propostas a partir de experiências concretas de instituições integrantes das redes no enfrentamento desses desafios.

 

Comentar