Você está aqui

Publicado em: 21/09/2020

Neste 17 de setembro, ONU expõe necessidade de proteção dos trabalhadores de saúde

imprimirimprimirenviar por e-mailenviar por e-mail
  • Facebook

Este 17 de setembro é o Dia Mundial da Segurança do Paciente. Esse ano, o tema é “Segurança do trabalhador de saúde: uma prioridade para a segurança do paciente”.

Em comunicado, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, OMS, disse que “a pandemia de Covid-19 lembrou a todos do papel vital que o pessoal de saúde desempenha para aliviar o sofrimento e proteger vidas.”

Carta

A OMS citou relatos crescentes de infecções, doenças e ataques
entre funcionários na saúde que lutam contra a Covid-19

Segundo Tedros Ghebreyesus, “nenhum país, hospital ou clínica pode manter seus pacientes seguros a menos que mantenha seus profissionais de saúde seguros.”

Para marcar a data, a OMS publicou a Carta de Segurança do Trabalhador.

Tedros diz que este “é um passo para garantir que os trabalhadores de saúde tenham as condições seguras, treinamento,  pagamento e o respeito que merecem."

A Carta pede que governos e outras autoridades tomem cinco ações, incluindo medidas de proteção contra violência, melhorias em saúde mental, proteção de perigos físicos e biológicos, promoção de programas nacionais de segurança e ligação entre políticas de segurança do trabalhador e do paciente.

Ataques

A OMS citou relatos crescentes de infecções, doenças e ataques entre funcionários na saúde que lutam contra a Covid-19.

A crise expôs estas pessoas e a famílias a níveis de risco sem precedentes.

Embora não sejam representativos, os dados de muitos países mostram que as infecções nesse grupo são muito maiores do que na população em geral.

Estes trabalhadores são menos de 3% da população na grande maioria dos países, mas representam cerca de 14% das notificações. Em alguns Estados-membros, a proporção pode chegar a 35%. Milhares de profissionais de saúde perderam a vida em todo o mundo.

A pandemia também criou grandes níveis de estresse psicológico. Estes profissionais estão expostos a ambientes de alta demanda por longas horas, vivendo com medo constante da exposição, separados da família e enfrentando estigmatização social. 

Já antes da Covid-19, eles corriam maior risco de suicídio. Um em cada quatro tem episódios de depressão e ansiedade e pelo menos 30% tiveram insônia durante a crise. 

A OMS também destacou um “aumento alarmante” de relatos de assédio verbal, discriminação e violência física.

Em todo o mundo, cerca de 134 milhões de eventos negativos ocorrem a cada ano devido ao atendimento inseguro em hospitais de países de baixa e média rendas

Pacientes

O Dia Mundial da Segurança do Paciente foi estabelecido pela Assembleia Geral da ONU no ano passado.

Em todo o mundo, cerca de 134 milhões de eventos negativos ocorrem a cada ano
devido ao atendimento inseguro em hospitais de países de baixa e média rendas,
contribuindo para 2,6 milhões de mortes.

A OMS afirma que 15% das despesas hospitalares são destinadas ao tratamento de falhas de segurança com o paciente em países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento da Europa, Ocde.

Além disso, quatro em cada 10 pacientes sofrem danos durante cuidados primários e ambulatoriais. Até 80% dessas situações poderiam ser evitadas.

Fotos/Ilustrações: 

ONU Mujeres/Louie Pacardo Esta doutora de um hospital comunitário nas Filipinas usa equipamento de proteção pessoal adequado. La doutora lidera a um grupo profissionais de saúde voluntários que atende a pacientes de COVID-19.

Comentar