• 24/09/2014 - A formação técnica em Citopatologia, apontando o protagonismo do profissional técnico no controle do câncer, a partir da atuação nos laboratórios de citopatologia, é o tema da edição de agosto da revista RET-SUS. Esta é a última com periodicidade mensal, pois as próximas serão bimestrais. A publicação conta a história do Atlas de Citopatologia Ginecológica, uma coletânea realizada pelo Programa de Formação de Profissionais de Níveo Médio para a Saúde (Profaps), dentre outras novidades nesta área.
  • 23/09/2014 - A Divisão Internacional dos Institutos Pasteur lançou chamada para bolsas de estágios dentro dos Programas Calmette e Yersin. As bolsas são destinadas a promover e facilitar a mobilidade entre cientistas (estudantes, pesquisadores e técnicos) do Instituto Pasteur e da Rede Internacional dos Institutos Pasteur. O prazo final da candidatura é 15 de outubro de 2014.
  • 23/09/2014 - Para facilitar e dinamizar a comunicação, a rede ePORTUGUÊSe está intensificando o uso do facebook como ferramenta de disseminação de informação. O Espaço colaborativo continuará ativo, mas aos poucos irá migrar as informações para as redes sociais, por serem mais interativas. A rede conta com a colaboração dos usuários para que divulguem e, acima de tudo, participem e enviem suas opiniões e contribuições.  
  • 22/09/2014 - Na última década, os estudos sobre segurança do paciente se intensificaram e cada vez mais se sabe que os efeitos adversos nos cuidados de saúde não estão somente ligados à competência dos profissionais de saúde, mas sim, devido à complexidade dos sistemas de saúde, onde o sucesso do tratamento e os resultados dependem de muitos fatores. Em conjunto com African Partnership for Patient Safety (Parceria Africana para a Segurança do paciente), a rede ePORTUGUÊSe tem investido bastante no alerta sobre a segurança do paciente em diversas áreas. Desde 2012, a rede oferece um curso online e gratuito: ‘Introdução à investigação sobre segurança do paciente/doente’.
  • 18/09/2014 - Dados recentes publicados pelas Nações Unidas revelam que as taxas de mortalidade de menores de cinco anos diminuíram em 49 % no período entre 1990 e 2013, enquanto a taxa média anual de declínio tem acelerado, e até mesmo triplicado em alguns países, esse progresso ainda está longe de alcançar a meta global de redução da mortalidade infantil em dois terços até 2015. As novas estimativas do informe “Níveis e tendências da mortalidade infantil 2014” revelam que em 2013 morreram 6,3 milhões de meninos e meninas menores de cinco anos, em sua maior parte por causas preveníeis, representando um decréscimo de 200 mil mortes em relação a 2012. 

Páginas