• 29/08/2014 - Membro e atual Secretaria Executiva da RETS, a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) comemorou, no dia 27 de agosto, 29 anos de fundação (completados em 19 de agosto) e 10 anos como Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Educação de Técnicos em Saúde. Foi graças à essa designação da OMS em 2004 que,  em setembro de 2005, com a transferência da Secretaria Executiva para a EPSJV, a RETS foi reativada. A programação do evento incluiu conferências, debates, apresentação musical e lançamento de livros.
  • 28/08/2014 - Para discutir os principais aspectos da epidemia de Chikungunya na América do Sul e as melhores estratégias de combate à doença, a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e o Ministério de Saúde Pública do Paraguai promovem uma Oficina de Vigilância e Resposta específica sobre o tema. O evento, que conta com o apoio do ISAGS, ocorre em Assunção nos dias 26 e 27 de agosto, e antecede a reunião do Grupo Técnico de Rede de Vigilância e Resposta em Saúde (GT de Vigilância) do Conselho de Saúde Sul-Americano.
  • 26/08/2014 - Ao longo dos últimos anos, a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa (ESTeSL-IPL) tem realizado um forte investimento ao nível dos mestrados, procurando dar resposta às necessidades de formação sentidas pelos profissionais e recém-licenciados da área da saúde. Estão abertas as incrições para  o biênio 2014/2016 para 11 áreas da saúde.
  • 19/08/2014 - A OPAS/OMS no Brasil finalizou a consulta pública sobre o documento da Estratégia para Cobertura Universal de Saúde (CE154/12) cujo resultado foi sistematizado em um Relatório Técnico que incorporou as contribuições do país, com o propósito de garantir que a estratégia contemple as necessidades do Brasil e esteja em total consonância com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS).
  • 15/08/2014 - A África Ocidental está sofrendo o maior, mais complexo e mais grave surto do vírus ebola de toda a história. Os surtos podem ser contidos com intervenções disponíveis, tais como a detecção precoce e isolamento, monitoramento e rastreamento de contatos e a adesão a procedimentos rigorosos de controle de infecção. No entanto, ter vacinas ou tratamentos seria uma arma poderosa para combater o vírus. Pensando nisso, a OMS convocou a 11 de agosto de 2014 uma reunião para analisar e avaliar as implicações éticas do possível uso de intervenções não registradas na tomada de decisão clínica. 

Páginas