• 11/01/2018 - A ONU Meio Ambiente e a Organização Mundial da Saúde (OMS) concordaram em realizar uma nova e abrangente colaboração para acelerar as ações de contenção dos riscos ambientais para a saúde, que causam cerca de 12,6 milhões de mortes a cada ano. Nesta quarta-feira (10/01/2018), em Nairóbi, Erik Solheim, diretor da ONU Meio Ambiente, e Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, assinaram um acordo para intensificar as ações conjuntas de combate à poluição do ar, às mudanças climáticas e à resistência antimicrobiana, bem como melhorar a coordenação em gestão de resíduos e produtos químicos, qualidade da água e problemas de alimentação e nutrição. A colaboração também inclui a gestão conjunta da campanha BreatheLife, que pretende reduzir a poluição do ar para múltiplos benefícios climáticos, ambientais e de saúde.
  • 14/12/2017 - Com a participação de quase 200 líderes políticos, representantes da sociedade civil e especialistas de 30 países das Américas, foi realizado nos dia 11 e 12 deste mês, em Quito, no Equador, uma reunião regional de alto nível sobre saúde universal. O encontro foi promovido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em colaboração com o governo equatoriano. Etienne disse que “a geração de alianças é a chave para alcançar a saúde universal sem deixar ninguém para trás” e pediu o “empoderamento das pessoas e das comunidades”, a fim de que possam fazer parte das mudanças necessárias ao alcance da saúde para todos.
  • 11/12/2017 - À medida que a população mundial envelhece, espera-se que o número de pessoas que vivem com demência triplique – de 50 milhões para 152 milhões até 2050. "Quase 10 milhões de pessoas desenvolvem demência a cada ano, seis milhões delas em países de baixa e média renda", afirma Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). 
  • 07/12/2017 - Dois professores de Economia e uma professora de Sociologia da UFBA, respectivamente Luiz Filgueiras, Uallace Moreira e Graça Druck, debruçaram-se nos últimos dias sobre recente e polêmico documento do Banco Mundial (BIRD) e, apoiados simultaneamente em competentes ferramentas teóricas, dados estatísticos oficiais e análise comparativa de um estudo do mesmo organismo, publicado 20 anos antes, produziram um profundo estudo sobre as propostas ali apresentadas para o ajuste fiscal do Brasil e a adequação das universidades públicas brasileiras a esse cenário ajustado. O primeiro fruto desse estudo é um denso artigo para o próximo número do Caderno do CEAS, cujos editores gentilmente permitiram uma divulgação prévia pela UFBA e pelo Edgardigital.
  • 29/11/2017 - O Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IMS/Uerj) vai realizar, no dia 6 de dezembro (quarta-feira), um debate sobre o polêmico Relatório do Banco Mundial sobre os gastos públicos no Brasil. O documento, intitulado “Um ajuste Justo: Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil', está provocando a manifestação em diversos segmentos da sociedade, uma vez que traz drásticas recomendações, as quais, segundo inúmeros especialistas, convergem com os atuais interesses do governo do país e podem resultar em graves prejuízos para uma enorme parcela da população brasileira. O evento ocorrerá no auditório do IMS, localizado na Rua São Francisco Xavier 524, Bloco D, 7o andar - Maracanã, Rio de Janeiro. Leia também artigos de diversos autores sobr o assunto.  

Páginas