• 13/02/2019 - Quase 50% das pessoas entre 12 e 35 anos — o que representa 1,1 bilhão de indivíduos — correm o risco de sofrer perda auditiva devido à exposição prolongada e excessiva a sons altos, incluindo por meio de tecnologias de áudio pessoais, como os fones de ouvido e smartphones. Em preparação para o Dia Mundial da Audição, 3 de março, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a União Internacional de Telecomunicações (UIT) publicaram um novo padrão global para a fabricação e uso desses dispositivos.
  • 06/02/2019 - Desde o final de janeiro, as pessoas que precisam emitir o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) já podem solicitá-lo sem precisar sair de casa. O serviço está disponível no Portal de Serviços do Governo Federal para qualquer pessoa que tenha em mãos o cartão que comprova a vacinação contra a febre amarela. O cartão de vacina é um documento nacional emitido em qualquer posto de vacinação, no momento em que a pessoa é vacinada. Já o Certificado Internacional é um documento emitido pela Anvisa, destinado para pessoas com viagens programadas para países que exigem a comprovação de vacinação contra a febre amarela.
  • 06/02/2019 - O Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Cepedes/Ensp/Fiocruz) lançou, recentemente, o Guia de Preparação e Respostas do Setor Saúde aos Desastres, um documento elaborado em três etapas, desenvolvidas entre 2015 e 2017, com informações e conceitos que ajudam a compreender o que é importante saber para reduzir os riscos de desastres. A publicação inclui dados sobre os relatórios de segurança de barragens, os mapas de distribuição e a classificação de risco. Segundo o coordenador do Cepedes, Carlos Machado de Freitas, o manual foi elaborado de forma colaborativa, com o objetivo de subsidiar o Sistema Único de Saúde (SUS) na desafiadora tarefa de desenvolver planos de preparação e resposta para emergência em saúde pública por desastres.
  • 06/02/2019 - Embora os casos de hanseníase tenham diminuído na região das Américas em 30% nos últimos 20 anos, a discriminação, o estigma e o preconceito em torno da doença continuam dificultando os esforços para deter sua transmissão. No Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase deste ano, celebrado em 27 de janeiro, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) instou os países a aumentarem os esforços para combater o estigma e a discriminação, com o objetivo de pôr fim a essa doença que pode ser facilmente curável.
  • 05/02/2019 - No marco do Dia Mundial do Câncer, 4 de fevereiro, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) convoca a acelerar os esforços de prevenção e controle para criar um futuro sem câncer de colo do útero, que é o terceiro mais comum entre as mulheres na América Latina e no Caribe, mas que pode ser prevenido. A cada ano, mais de 56 mil mulheres são diagnosticadas com câncer de colo do útero na América Latina e no Caribe e mais de 28 mil perdem a vida por conta dessa doença. Esse número chega a 72 mil diagnósticos e 34 mil óbitos se os Estados Unidos e o Canadá forem incluídos. No entanto, há ferramentas de prevenção e tratamento que salvam vidas. “É inaceitável que as mulheres hoje morram de uma doença que em grande medida pode ser prevenida”, disse Silvana Luciani, chefe da Unidade de Doenças Não-transmissíveis da Opas.
  • 25/01/2019 - A Organização Mundial da Saúde, OMS, junto à Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, alerta que a lacuna no tratamento da epilepsia na região das Américas e no Caribe é superior a 50%. O objetivo do estudo sobre um dos transtornos neurológicos mais comuns no mundo é justamente ajudar estes países no diagnóstico e cuidado da saúde da população. Por esta razão, a Opas lançou o documento “The Management of Epilepsy in the Public Health Sector 2018”. 
  • 23/01/2019 - A Comissão Global da OIT sobre o Futuro do Trabalho pede por mudanças fundamentais nas formas de se trabalhar nesta nova onda de globalização, rápido desenvolvimento tecnológico, transição demográfica e mudança climática, segundo seu novo relatório, Work for a Brighter Future (Trabajar para un futuro más prometedor), publicado nesta terça-feira (22/01/2019). O documento pondera maneiras de garantir um futuro melhor para todas as pessoas em um momento de transformação sem precedentes e desafios excepcionais no mundo do trabalho.
  • 22/01/2019 - O Cadernos de Saúde Pública abre 2019 com inúmeros desafios para a política de saúde e o SUS. O fascículo de janeiro traz, em seu espaço temático Médicos na Atenção Primária à Saúde (APS), quatro artigos que refletem sobre a experiência e os dilemas da profissão de médicos dos sistemas de saúde de Portugal, Brasil, Canadá e Chile.   No editorial desse fascículo, as editoras do CSP, Luciana Dias de Lima, Marilia Sá Carvalho e Cláudia Medina Coeli, ressaltam que “os médicos e suas entidades representativas ocupam um papel central na trajetória de construção e reformas de sistemas públicos de saúde. No plano internacional, estudos comparados enfatizam a importância das relações entre o Estado e as organizações da medicina, para distintas orientações e rumos da política de saúde em contextos institucionais específicos”.
  • 16/01/2019 - O mundo está enfrentando vários desafios na área da saúde. Estes variam de surtos de doenças evitáveis por vacinação, como é o caso do sarampo e da difteria; das crescentes notificações de patógenos resistentes a medicamentos; e das altas taxas de obesidade e inatividade física, além dos impactos à saúde causados pela poluição ambiental, mudança climática e múltiplas crises humanitárias. Para enfrentar essas e outras ameaças, será posto em prática neste ano o novo plano estratégico da Organização Mundial da Saúde (OMS) – 13th General Programme of Work –, que terá duração de cinco anos. A iniciativa tem como objetivo garantir que: 1 bilhão de pessoas a mais se beneficiem do acesso à saúde e da cobertura universal de saúde; 1 bilhão de pessoas estejam protegidas de emergências de saúde; e 1 bilhão de pessoas desfrutem de uma melhor saúde e bem-estar. Alcançar esses objetivos exigirá uma abordagem por diversos ângulos.
  • 08/01/2019 - Profissionais de saúde pública, relações internacionais e áreas correlatas já podem se inscrever na edição de 2019 do Programa de Líderes em Saúde Internacional Edmundo Granda Ugalde (PLSI), promovido pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). As candidaturas serão recebidas até 15 de fevereiro de 2019. O programa, que é gratuito para os candidatos, tem o objetivo capacitar profissionais dos países da região para que possam compreender, atuar e influir de maneira positiva sobre temas de saúde global em um contexto internacional complexo, caracterizado por desafios que exigem ações que transcendem setores e fronteiras.

Páginas